Bone NotíciasSaúdeOs espanhóis passam uma média de 150 euros no emagrecimento
Bone NotíciasSaúdeOs espanhóis passam uma média de 150 euros no emagrecimento
Saúde

Os espanhóis passam uma média de 150 euros no emagrecimento

Os espanhóis passam uma média de 150 euros no emagrecimento

Alguma vez você parar para pensar quanto dinheiro tem investido ao longo de sua vida em perder peso? Quanto você deve ter gasto em produtos milagre, terapias naturais, cremes anticelulíticas, leggings e cintas redutoras, métodos pioneiros para emagrecer, máquinas que prometem muito e pouco servem ou academias que só pisa alguns dias? Você não tem nem idéia? Pois não há falta tirar a calculadora e começar a somar, porque a Organização de Consumidores e Usuários (OCU) foi lançado números com o propósito de oferecer um cálculo aproximado do custo, tentar emagrecer.

A pesquisa realizada pela OCU mais de 2.000 pessoas de idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos, revela que 55% dos espanhóis gasta uma média de 150 euros por mês no emagrecimento. O objetivo desta entidade independente, sem fins lucrativos, não é mais do que saber como avaliam a sua saúde, os entrevistados e o que fazem para perder peso, bem como estimar o preço e o seu grau de satisfação com os diferentes métodos de emagrecimento.

Emagrecer requer tempo, perseverança e sacrifício

De acordo com a pesquisa, a grande maioria dos participantes (94%) reconhece que tentou emagrecer alguma vez, e pouco mais da metade afirma ter conseguido uma redução de seu peso corporal; mas, em seguida, o restabelecessem, parcial ou totalmente, com o passar do tempo. De acordo com os resultados, estamos dispostos a abrir a carteira alegremente quando de ganhar alguns quilos na balança se trata. Quanto ao custo, em função do método escolhido, 45% não gastou praticamente nada, enquanto que o resto gastou cerca de 150 euros de média.

Leia Mais  Pequeno-almoço para queimar gordura

Os espanhóis passam uma média de 150 euros no emagrecimento

Entre outras conclusões, o estudo mostra que pouco mais de 70% das mulheres e 50% dos homens têm um peso superior ao que gostariam. 90% dos entrevistados respondeu que queria emagrecer por sentir-se melhor consigo mesmo; uma percentagem inferior fez alusão a problemas de saúde ou recomendação médica e um 10 e um 9%, respectivamente, aduziu-se os conselhos de seu parceiro e a melhoria de sua carreira profissional.

Emagrecer é um processo algo cíclico, uma vez que é frequente fazer várias tentativas em que produzem efeitos adversos, como os que são mencionados no inquérito: sensação de fome a toda a hora, mau humor, fraqueza e tristeza. A OCU qualifica de “fenómenos” os métodos utilizados para perder peso, uma vez que 31% dos entrevistados não fez dieta e só aumentou a atividade física. A destacar também que 11% se submeteu a algum plano em centros de emagrecimento e de 0,20% recorreu à cirurgia.

Dieta saudável e esporte, não há milagres

Não nos esqueçamos de que a perda de peso bem sucedida, duradoura e, acima de tudo, segura só se consegue mudando de hábitos: mais exercício físico e melhor alimentação de forma contínua e não em momentos pontuais. O primeiro passo é colocar-se nas mãos de um nutricionista-nutricionista e desconfiar daquelas dietas que prometem um corpo de dez em tempo recorde.

Lembre-se também que os medicamentos para emagrecer devem ser prescritos por um médico, e que são geridas quando não funciona o combo dieta e exercício.